6.1.17

Resenha #4: O Homem Sem Pátria

Autores: vários
Editora: Melhoramentos
Ano: 1968
Edição: segunda
Páginas: 168
Sinopse: "Este livro é uma antologia especialmente dedicada à formação estética e literária da juventude. Compõem-na 7 contos em prosa, magníficas páginas de literatura universal que o professor Mello e Souza escolheu, traduziu, adaptou e agora oferece aos moços brasileiros." 
Contos: "O Homem sem Pátria", "História de Mignon", "Casou por Patriotismo", "O Último Menestrel", "Os Doze da Inglaterra", "A Tempestade" e "O Cavaleiro do Cisne". 

Nota: 4/5 
Resenha:
Eu tenho esse livro desde 2011, mas sempre tive uma preguiça ENOME de ler. Comprei numa época que morava ao lado de um sebo, então comprava muitos livros antigos por um preço irrisório..Ou seja: tenho vários livros antigos sem ler aqui em casa, porque eu sempre acabo passando os mais novos na frente. Eu sei, é vergonhoso.
Minha meta, desde Novembro, está sendo ler o máximo desses livros acomulados na estante... Aí chegou a vez desse neni aqui!
A edição que eu possuo é capa dura e é super bem trabalhada. Não achei erros de revisão, as letras são grandes o bastante e a fonte é confortável de ler. As páginas são meio amareladas (dã), mas o livro é velho. UM PLUS: tem cheirinho de livro velho, o que uma rata de sebo como eu ama.
O livro é composto por 7 contos, escritos por sete autores diferentes. De modo bastante impressionante, todos os contos são bons, se não ótimos, e cada conto possui pelo menos uma ilustração.
A única coisa que eu achei ruim é que a linguagem é antiga e a acentuação é estranha, mas levando em consideração que essa edição tem quase meio século... E logo a gente se acostuma e não fica tão ruim de ler.


1- O Homem sem pátria
                    Edward Everett Hale
Conto que dá título ao livro, conta a história de Felipe Nolan que, seduzido por um golpista, tenta dar um golpe no governo dos EUA e, ao ir à julgamento, amaldiçoa sua pátria e diz que nunca mais quer ouvir falar a respeito dela. Os juízes, então, proferem sua sentença e o conto descreve o que aconteceu na vida dele depois que ele foi despatriado.
É um conto bom, sinceramente. Não tenho muito o que reclamar, mas sem dúvida não acho justo que este conto tenha dado nome ao livro, uma vez que existem contos melhores no livro.

" 'O acusado tem mais alguma coisa a declarar para provar que não foi traidor aos Estados Unidos?' - êle respondeu com esta tremenda praga e com o voto imprudente que o arrastou à ignomínia:
- Diabos levem os Estados Unidos!...Tomara eu nunca mais ouvir falar nos Estados Unidos!..."

2- História da Mignon
                    Johann Wolfgang Goethe
Esse conto se passa no século XVIII e fala sobre um jovem chamado Guilherme, filho de um burguês rico que possuía a vontade de que o filho cuidasse dos negócios da família após a sua morte, mas o problema é que este só queria saber de Arte e teatro.
O pai, então, resolve que a resposta para isso é enviar o menino-homem numa peregrinação de anos pela Europa, cuidando dos negócios da família. O que Guilherme faz...Enquanto aproveita a cena artística e se apaixona por atrizes e salva nossa querida Mignon de um circo, que a havia raptado e a adota.
É um bom conto, de verdade. Achei o final um pouco brusco, mas isso frequentemente acontece em contos.

"Tu já viste o país da laranjeira em flor,
Onde os frutos são de ouro, e a campina um verdor?
Tão de leve, pelo ar, passa a brisa a sorrir, 
Que o loureiro se move, apenas, sem fremir.

É lá que contigo espero
Rever meu saudoso lar;
É lá, meu bem, lá que eu quero
Viver... Sentir... E amar..."

3- Casou por patriotismo
                    William Baldwin
É o conto mais sem sal do livro. A história se passa mais ou menos em 1600, quando estava se iniciando o povoamento da Virgínia, nos EUA e fala que, nos primeiros anos, apenas homens foram para esse novo continente e que depois foram enviadas esposas para eles, as quais eles deveriam desposar assim que descessem do barco. Fim. Chato.

"- Pois eu caso com o magrinho. Tem boa cara. Não gosto de atletas brutamontes.
-Daisy! Olhe aquêle barbudo...aquêle, ali! Quem será que êle pretende escolher?"

4- O último menestrel
                    Walter Scott
Trás esse título porque é uma história que o último menestrel conta e, de uma forma geral, é um conto bem decente. Eu não sei como resumir esse muito bem sem dar grandes spoilers, mas trás magias e traição e guerra. E um livro magico desaparecido hahahaha
Eu gostei bastante desse conto, apesar de não ser também o meu favorito da obra. É escrito bem e os personagens são cativantes, mesmo os que são vilões.

"De repente, ao transpor um regato, o encantou cessou e o pajem retomou sua forma horrenda. Imediatamente êle atirou-se ao chão, e fugiu em desabalada corrida, gtitando:
-Perdido! Perdido! Perdido!..."

5- Os doze da Inglaterra
                    Das Crônicas Lusitanas
Foi baseado num poema de Camões...Ou melhor, explica melhor a história por detrás do poema desse mestre.
Era ume época conturbada na Europa e, durante um baile inglês, os homens começaram a insultar as mulheres da corte, dizendo que elas em nada se comparavam com as mulheres francesas. Um grupo de doze mulheres, então, indignadas, foram exigir um retratamento através de combate. O problema é que nenhum lorde inglês quis tomar partido delas, pois os ofensores eram grandes mestres da esgrima. Então, os doze melhores espadachins portugueses aceitaram a tarefa de defender a honra das damas.
Eu me diverti bastante com esse conto, pois ele possui várias reviravoltas e contratempos e os doze são, sem dúvida alguma, muito galenteadores. 

"-Sim... Nós não podemos... A fraqueza feminina não nolo permite... Mas vós sabeis que em tais casos as leis da cavalaria permitem que campeões de nossa escolha lutem por nós... Havemos de encontrar nossos campeões, e desde já estais desafiados para o combate, à outrance, em campo raso...
- Assim seja. Aceitamos o desafio. Concordais, senhores?"

6- A Tempestade
                    William Shakespeare
Este conta a história de Miranda e seu pai Próspero, que antes era o Duque de Milão, mas que devido a uma conspiração e uma grande traição, foram abandonados no mar para morrer. Só que ninguém contava que Próspero fosse um mago, então eles conseguem chegar numa ilha deserta e por lá vivem durante muitos anos, até que, graças à magia do velho, um navio contendo o conspirador Rei de Nápoles naufraga em suas águas.
Eu fico em dúvida se esse ou o próximo conto são os melhores do livro e por isso deveriam ter o nome de capa, mas eu digo isso sem me importar com o autor. Vi agora, escrevendo esse post, que o autor desse conto era o Shakespeare...Se bem que, parando pra pensar...É bem a cara dele mesmo! 
PS. Sem contar que essa é uma das minhas ilustrações favoritas do livro.

"Sem ser visto, Ariel dirigiu-lhe a palavra nestes têrmos:
- Meu jovem senhor, devo fazer-te agora caminhar um pouco. Vais comparecer à presença da bela princesa Miranda, que deseja conhecer-te. Segue-me, pois, ó amigo."

7- O Cavaleiro do Cisne (Lohengrin)
                    Lenda germânica
Conta a história de Elza , filha do falecido Conde de Brabant, que durante uma assembléia real, foi acusada por seu tio de assassinar seu irmão mais novo para que pudesse ficar com o condado. E sua culpa ou inocência será provada por um julgamento de combate. Ela, então, diz que sonhou que a ajuda viria se ela chamasse e, de joelhos, pediu três vezes que um amigo intercedesse por ela e eis que aparece no lado, em cima de um barquinho puxado por um cisne, um guerreiro em armadura cintilante, que lhe defende a inocência. Só que ele tem uma condição: em nome de sua felicidade, ele nunca poderia lhe dizer seu nome e deveria ser conhecido apenas como Cavaleiro do Cisne.
É um conto muito bonitinho e eu não tenho nada muito além a acrescentar!

"- Elza, por piedade...Se tu insistes, eu serei forçado a falar... Todos ficarão satisfeitos, mas a tristeza cairá sôbre nós...
- Eu nada receio, disse Elza."

That's all, folks!

12 comentários:

  1. Eu acho lindo os livros antigos, mas não sei se leria com tanta vontade, já que a linguagem é antiga - óbvio. E realmente, o ultimo conto parece mais interessante.

    ResponderExcluir
  2. Oi Fe, tudo bem?

    Os contos parecem ser muito bons, gosto da temática abordada e da época também, acabam me prendendo sempre. Mas essa capa não me instigou :(

    Beijos,

    Gnoma Leitora

    ResponderExcluir
  3. Gentee adorei. A tempestade já li e amei e achei super intenso.E ainda essas ilustrações sobre maravilhosas! <3

    ResponderExcluir
  4. Amo livros em capa dura <3 Mas confesso que a arte da capa e a premissa dos contos não me agradaram </3

    ResponderExcluir
  5. Que sonho morar ao lado de um sebo haha ♡♡♡
    Nunca tinha ouvido falar do livro, não é muito meu gênero mas amei a resenha, ficou bem detalhada. Beijo!

    ResponderExcluir
  6. Ótima resenha! Esse livro parece ser interessante.

    ResponderExcluir
  7. Em primeiro lugar, que maravilha morar ao lado de um sebo! Acho que seria perigoso porque eu, descontrolada como sempre, seria capaz de vender a roupa do corpo pra comprar mais livros, especialmente os antigos hahaha Gostei principalmente do conto 5 porque adoro Camões e achei o tema divertidíssimo. Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Que resenha bacana, não conhecia o livro e amei as ilustrações. Realmente a gente sempre quer ter os clássicos mas passamos os novos na frente kkk também passo pelo menos. Parabéns pela resenha! <3

    ResponderExcluir
  9. Olá, adorei a sua resenha, faz muitooo tempo que não vejo livros antigos e bons sendo resenhados em blogs, eu mesma tenho um pouco de preguiça, mas vou mudar esse quadro logo rs.
    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. Não gostei muito da capa, mas os contos parecem ser muito bons e as fotos que você tirou ficaram incríveis! Essas imagens tem dentro do livro? Muito bacana.
    beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim sim, são todas ilustrações do livro <3

      Excluir
  11. Adorei a forma como resenhou, separando cada conto. Não conhecia a obra e achei tão importante como interessante. Adoro descobrir livros antigos que infelizmente não são valorizados hoje em dia.
    Abraço;

    ResponderExcluir

Ficamos muito felizes com seu comentário :)